Antes de morrer, essa menina fez um lindo pedido aos pais. Em seu funeral, eles decidem atendê-lo

Num sábado de manhã, em uma igreja em Vancouver, Washington, haviam vestidos florais espalhados, chocolates, pessoas vestidas com pólos rosa, roupas coloridas e brilhantes e o cenário parecia uma linda festa do chá de princesas. A razão dessa reunião com ares de contos de fada era muito importante, a neurologista Dr. Michelle Moon e o ex- piloto da Força Aérea Steve Snow, queriam celebrar a vida da sua doce filha Julianna Youri Snow.

Julianna tinha desordem neuromuscular, uma doença incurável que vinha sendo tratada há muito tempo. A própria menina dizia que preferir ir para o céu ao invés de ficar sofrendo dessa maneira. Assim, decidiu por meios não convencionais de tratamento para viver o melhor possível de seus últimos tempos de vida, apoiada por médicos e enfermeiros do Hospital Doernbecher Child, em Portland.

“Ela chegou perto da morte tantas vezes no ano passado, mas ficou mais doente do que antes e eu não acho que poderíamos segurá-la aqui depois de uma crise forte”, disse Diana Scolaro, uma das enfermeiras da UTI. “Ela não tem muito tempo para viver”, afirmou seu pneumologista na época, Dr. Danny Hsia. “Para ela, não há luz no fim do túnel.”, afirmou veementemente.

Durante toda sua vida, a história de Julianna foi marcada por um debate que foi travado por milhões de pessoas, sobre a importância da liberdade das crianças de tomar suas próprias decisões médicas no final de suas vidas. E a opção dos pais foi dar a liberdade para que Julianna decidisse como ela queria seu funeral e seus momentos finais. Seu estado ficou grave e ela já não conseguia mais usar os braços ou pernas e nem respirar ou comer sozinha, mas ela mal sabia que sua vida seria um exemplo fabuloso para muitas pessoas.

Ela sempre gostava de ser vestida de princesa e usar uma tiara. Amava bonecas, animais e era bem vaidosa, insistia em ter suas unhas bem feitas e com esmaltes brilhantes. “Não existe muito brilho”, disse ela para a mãe certa vez. A menina adorava brincar de “Festas do chá”, e por isso, em seu velório foi feito exatamente isso para dizer adeus para esse pequeno anjo.

“Vai ser grande, elegante, colorido, divertido, lunático, com muito amor, brilhante, alegre e magnífico,” Michelle escreveu em seu blog na semana passada após a morte de Julianna. “Queremos deixar Julianna orgulhosa”, afirmou a mãe em entrevista.

Para finalizar esse conjunto de peculiaridades que expressavam o coração alegre e acolhedor da menina, eles também contaram com um cartaz feito por seu avô que que contava com um bilhete feito por Julianna. “Cheguei no céu, estou curada. Obrigada por seu amor. Espero nos vermos no tempo de Deus”,

Vimos em catholicus.org

Falando sobre isso

Leave a Reply