Celulite nas coxas: guia do sucesso para exterminá-la + caso real de quem conseguiu

A esmagadora maioria das mulheres tem celulite, e as coxas costumam ser uma das regiões que mais são afetadas pelos furinhos. Para quem busca formas de amenizar o aspecto do problema, a nutricionista Tamara Rocha, da clínica Espaço CM Nutrição, e o preparador físico Felipe Kutianski, da Ziva Equipamentos, garantem que não tem como fugir da fórmula alimentação balanceada + prática de exercícios físicos regulares. Mas, afinal, o que comer? E como malhar? Conversamos com os dois profissionais para saber as melhores dicas para eliminar as celulites e resgatamos a história real da jornalista Giselli Souza, que mudou completamente seu corpo, para mostrar que é, sim, possível melhorar a aparência das pernas sem gastar com cirurgia ou tratamento estético.

Celulite na coxa: o que fazer?

Fatores genéticos podem tornar mais árduo o combate à celulite, mas ter predisposição não significa que não há solução. O ponto é que, segundo Tamara e Felipe, não dá para eliminar a celulite e a gordura de uma parte específica, como a perna; o processo ocorre como um todo no corpo. Basicamente, o segredo está dividido entre a dieta correta e os exercícios mais eficientes.

A celulite deve ser combatida com o “combo” exercício físico e dieta adequada

Alimentação

O que NÃO comer

Antes de saber quais alimentos são os mais indicados, é importante ficar ciente de quais evitar para não piorar os desníveis da pele, causados, entre outros problemas, pelo acúmulo de toxinas, água e gordura nas células. “Alimentos ricos em sódio, como sal, enlatados, industrializados em geral, queijos amarelos, embutidos, como salame, mortadela e presunto, álcool, entre outros, são muito prejudiciais para quem tem celulite. Eles aumentam a pressão osmótica das células e agravam o edema”, explica Tamara. De acordo com a nutricionista, alimentos com alto índice glicêmico – como, por exemplo, aqueles preparados com farinha refinada e açúcar branco – aumentam a gordura corporal e também podem piorar o quadro.

O que comer

Uma alimentação balanceada com carboidratos de boa qualidade (como batata-doce, inhame e mandioca, por exemplo), proteínas magras (peito de frango, patinho e peixes em geral) e gorduras do bem (abacates, oleaginosas) é o grande truque, mas existem alguns atalhos.

Tamara aconselha investir em alimentos com efeito diurético, que ajudam a eliminar o excesso de líquido e de impurezas e purificam as células. Alguns exemplos são melancia, melão, abacaxi, morango, cenoura, salsão, pepino e tomate. “Quando associados ao consumo adequado de água e de chás, o efeito deles é ainda melhor”, garante a nutricionista.

Quanto beber de água para tirar a celulite da perna

Beber a quantidade correta de água é uma arma poderosa para amenizar os furinhos

“Esse cálculo é individualizado de acordo com o peso de cada pessoa, mas o ideal é beber, no mínimo, dois litros de água por dia em média”, recomenda Tamara.

Chás anticelulite

Chá de hibisco: aumenta o ritmo de queima de gordura, além de auxiliar na digestão e na desintoxicação do corpo.

Chá de cavalinha: além de combater a flacidez, este chá aumenta a sensação de saciedade, evitando a compulsão alimentar por guloseimas.

Chá-verde: a presença de cafeína garante a aceleração do metabolismo, que detona as calorias de maneira mais rápida.

Dica bônus

Para quem quer potencializar o efeito dos chás, basta colocar lascas de gengibre, canela em pau, limão e laranja em rodelas e beber ao longo do dia. Dá para adicionar esses ingredientes em uma garrafinha com água bem gelada também, segundo Tamara. O gengibre e a canela são termogênicos e ajudam a desinflamar os tecidos, e as frutas cítricas turbinam a ação desintoxicante. É importante consultar um profissional de saúde antes de consumir os chás sem restrições, já que o excesso de ingredientes termogênicos pode ser perigoso para pessoas com problemas cardíacos ou estomacais, por exemplo.

Ingredientes termogênicos, como o gengibre, podem turbinar chás e até mesmo a água

Exercício físico

Felipe explica que a chave para se livrar dos furinhos é fortalecer a região que sofre com maior quantidade de celulite – nesse caso, as coxas. Esse fortalecimento se daria, principalmente, pela musculação, que, segundo o educador físico, é o exercício mais eficiente para amenizar a evolução do problema. “A musculação aumenta a massa magra. Estando a celulite ligada à vida sedentária, à diminuição de massa muscular e ao aumento do tecido adiposo, a musculação entra para quebrar esse ciclo, otimizando o processo de diminuição do percentual de gordura”, esclarece ele.

Portanto, segundo Felipe, não adianta passar horas em cima da esteira ou da bicicleta. “Estudos recentes já defendem que a musculação utiliza muito mais a gordura como fonte de energia do que fazem os exercícios aeróbicos. O carro-chefe da saúde é a criação de massa magra no corpo – por isso, quanto maior a quantidade de músculo, mais rápido será o processo de queima de gordura e de eliminação da celulite. E isso não tem nada a ver com ficar enorme, supermusculosa e perder a feminilidade”, diz o profissional.

Exercício para eliminar celulite

Felipe recomenda os chamados exercícios-base: são aqueles que trabalham grandes grupos musculares ao mesmo tempo, recrutando o número máximo de fibras e otimizando o tempo do aluno. “Não precisa ficar muito tempo malhando, basta encaixar esses exercícios-chave no treino”, ensina Felipe.

Exercícios multiarticulares, como o agachamento, são os melhores contra a gordura

Os exercícios-base são, segundo o preparador físico, agachamentos, afundos, leg-press, stiff e levantamento terra. A carga deve ser regulada para que o aluno trabalhe a mais ou menos 80% de sua capacidade máxima nas repetições.

Para iniciantes, os membros inferiores podem ser malhados duas vezes por semana, de forma bastante intensa. “Nos outros dias, dá para intercalar membros superiores e colocar um exercício cardiorrespiratório, como o HIIT, por exemplo”, recomenda Felipe, referindo-se ao treinamento intervalado de alta intensidade.

Exemplo de treino de pernas: stiff, afundo, agachamento sumô e agachamento simples. Entre três e quatro séries, de 12 a 15 repetições, com intervalos de 15 a 30 segundos de descanso – para quem vai fazer em casa, sem peso, o truque é realizar o menor tempo de descanso possível. “Este treino não pode ser feito em dias seguidos. Um repouso de 24 a 48 horas deve ser respeitado”, explica Felipe.

O afundo é outro exercício que também é eficaz para quem quer definir as pernas

Exemplo de treino cardiorrespiratório: para completar a eliminação da celulite, Felipe recomenda a corrida no formato HIIT. “Ao ar livre, dá para correr 200 metros no máximo da capacidade, seguido de uma parada de trinta segundos, por oito vezes”, recomenda o personal.

Importante: qualquer atividade física deve ser previamente autorizada por um profissional de saúde. Ao realizar o treino com carga na academia, é essencial o acompanhamento de um professor qualificado. Algumas pessoas podem apresentar restrições a alguns dos exercícios indicados. Por isso, cada caso deve ser analisado individualmente antes de se estabelecer um treino eficaz e seguro.

Em quanto tempo vou ver resultado?

Tanto Felipe quanto Tamara falam que o número mais seguro para se falar em resultados visíveis são três meses. “Nas primeiras três ou quatro semanas, você começa a ver resultado. Até oito semanas, os amigos também percebem. Acima disso, todo mundo nota a mudança”, garante Felipe.

Caso real: Giselli Souza

Transformação de Giselli Souza, que perdeu ao todo 20 kg

A jornalista de 35 anos é um exemplo de que não necessariamente precisamos nos prender a um determinado tipo de exercício físico para perder peso e mudar o corpo – ela, por exemplo, conseguiu eliminar a celulite das pernas com a corrida.

Giselli chegou a 80 kg, com 1,68 m, depois de quase uma década de sedentarismo e boemia, morando sozinha em São Paulo. Entre 2007 e 2008, ela enfrentou uma depressão profunda por conta de um câncer terminal da mãe e descontava suas frustrações na comida. Mas, em meio ao sofrimento, ela encontrou motivação. “Era a hora de mudar, de, quem sabe, deixar minha mãe mais tranquila para ‘ir embora’. Em 2007, a convite de um ex-namorado, fui a um parque conhecer um grupo de corredores, e comecei a fazer caminhadas e pequenas corridas”, conta ela.

Os pães, pizzas, doces e bebidas alcóolicas foram substituídos por uma alimentação mais natural, com um maior aporte de proteínas, legumes e verduras. “As lições que tirei da reeducação alimentar são: sempre vamos passar vontade e nem tudo que ‘todo mundo come’ serve para nós, nem mesmo nos finais de semana. Temos que entender nosso sentimento em relação aos alimentos”, crê Giselli.

Vimos em: BolsadeMulher

Falando sobre isso

Leave a Reply