Como fica barriga após diástase na gravidez: veja problema que atleta e Sandy tiveram

Exibir a barriga pós-parto nem sempre é encarado com naturalidade por mulheres que acabam de dar à luz. Mas, a corredora profissional Stephanie Rothstein Bruce resolveu tomar um posicionamento corajoso e digno de aplausos depois no nascimento do segundo filho, ao descobrir que estava com diástase, uma modificação no tecido abdominal decorrente do afastamento dos músculos da região.

Em vez de esconder a barriga, Stephanie, de 32 anos, resolveu incentivar outras mães que também estão sentindo os efeitos reais da gravidez no organismo, publicando em seu Instagram fotos de seu corpo durante seus treinamentos nos últimos seis meses.

O problema também foi vivido pela cantora Sandy, após o nascimento de seu primeiro filho, Theo – mais uma prova de que o tema precisa ser encarado com naturalidade entre as puérperas, assumindo as mudanças corporais como um fator inevitável do período pós-parto.

Barriga com diástase

“Quando eu olho para baixo, eu vejo as estrias que estão aqui para ficar, músculos abdominais que precisam de reforço contínuo, pernas poderosas e pés que estão prontos para voar!”

A atleta Stephanie Rothstein Bruce, que tem treinado para uma vaga nas Olimpíadas de 2016 no Rio de Janeiro, teve dois filhos (um de 1 ano e 2 meses e outro de mais ou menos 8 meses). Foi um intervalo de 15 meses entre uma gestação e outra, como afirmou em uma publicação na rede social.

Desde que o seu filho mais novo nasceu, ela compartilha imagens de sua barriga e de sua rotina de exercícios físicos para tentar voltar à forma de antes da gestação.

Em uma foto publicada 6 semanas após o bebê ter nascido, ela fez um desabafo sincero sobre a diástase e sobre seus esforços para retomar o condicionamento físico:

“Desculpe quem achar essa imagem grosseira, mas essa m**** é #keepitreal (mantenha a realidade). Eu tenho um sério caso de diástase abdominal e estrias decorrentes de dois bebês nascidos em 15 meses de intervalo.  Sou parcialmente autoconsciente, mas vocês ainda me verão balançando meu estômago entre meu top esportivo e meu número de corrida quando meu corpo estiver pronto. Muito trabalho a fazer para conseguir esse abdômen de volta e reconstruir meu condicionamento. Por favor, sintam-se confiantes para deixar (fotos de) seus corpos pós-parto e marcá-las com a tag #keepitreal”.

O que é?

A diástase se caracteriza pelo afastamento dos músculos do abdômen e afeta geralmente mulheres que já passaram por mais de uma gestação, como no caso de Stephanie. O organismo pode ter mais dificuldade para retomar ao normal depois de ter passado pelo processo mais de uma vez – o que ainda aconteceu em um curto período para a atleta.

Tudo porque os hormônios da gravidez estimulam o relaxamento da região abdominal para que o feto possa crescer.

“Embora não seja grave, o problema pode causar, ainda na gravidez, dores nas costas, bumbum e pernas e uma sensação de buraco no meio da barriga”, destacou a ginecologista e obstetra Paula Marcovici em entrevista ao Bolsa de Mulher.

Tratamento

A cantora Sandy percebeu que tinha diástase ainda na gravidez de seu primeiro filho e revelou que intensificou os exercícios abdominais para reverter o quadro.

De acordo com a ginecologista, o tratamento depende necessariamente do nível de afastamento dos músculos.

“Se a distância for inferior a 4 cm, exercícios para a região abdominal revertem a situação em até 3 meses. Já casos mais graves podem requerer procedimento cirúrgicos para unir os lados”, explica.

Prevenção

É possível prevenir a diástase com uma rotina de atividades físicas moderadas desde antes da gestação, para ativar a musculatura paravertebral e abdominal e cuidar da postura. Manter uma dieta equilibrada também faz parte dos cuidados pré-parto.

Após o nascimento do bebê, é indicado buscar orientação para o uso de cintas e para a prática de atividades físicas.

Vimos em: BolsadeMulher

Falando sobre isso

Leave a Reply