Este atleta salva um garoto indefeso do bullying. 4 anos depois, o garoto revela um terrível segredo.

Esta carta aberta anônima esta se espalhando pela internet e impressionando as pessoas ao redor do mundo. É a história de uma vida que foi salva. É a história de Kyle e seu “salvador”.

“Um dia, quando eu era calouro na escola, eu vi um menino da minha turma caminhando de volta para casa. Parecia que ele estava carregando todos os seus livros nos braços.

Eu pensei comigo mesmo: “Por que alguém leva para casa todos os seus livros em uma sexta-feira? Ele deve ser muito nerd.” Eu tinha meu final de semana todo planejado (festas e jogo de futebol com meus amigos na tarde do dia seguinte), então eu dei de ombros e segui em frente.

De repente, eu vi um monte de garotos correndo em sua direção. Eles lhe deram um esbarrão, derrubando todos os seus livros e fazendo ele tropeçar para cair na terra. Seus óculos voaram longe e eu vi quando eles caíram na grama a uns três metros de distância. Quando ele olhou pra cima, eu vi uma tristeza terrível em seus olhos. Eu senti compaixão por ele, então corri em sua direção, o ajudei a levantar e lhe devolvi os óculos.

Quando o garoto se levantou, eu disse: “Aqueles caras são uns idiotas. Eles deveriam arrumar o que fazer.” Ele me olhou e disse: “Obrigado.” Havia um sorriso enorme em seus lábios. Um daqueles sorrisos que demonstram gratidão. Acabou que ele morava na minha vizinhança e nós fomos juntos para casa. Eu rapidamente notei que ele era um cara muito legal. O nome dele era Kyle. Eu lhe perguntei se ele queria jogar futebol americano no final de semana. Ele disse que sim. Nós passamos o final de semana inteiro juntos e eu e meus amigos realmente gostamos dele.

Na segunda-feira seguinte, eu vi Kyle novamente com sua imensa pilha de livros. Eu o parei e brinquei: “Que isso, cara, assim você vai ficar musculoso, carregando esta pilha de livros todos os dias!” Kyle riu e me deu metade dos livros. Pelos próximos 4 anos, Kyle e eu nos tornamos melhores amigos. No último ano, nós começamos a pensar seriamente na faculdade. Kyle decidiu ir para a Georgetown e eu ia para a Duke. Nós dois sabíamos que nossa amizade ia continuar, apesar da distância. Ele ia ser médico e eu ia estudar administração com bolsa para jogar futebol americano. Kyle foi, obviamente, o orador de nossa turma.

Eu zoava ele o tempo todo sobre ser um nerd. Kyle gastou muito tempo e preparou o discurso para a formatura. Eu estava tão contente de não ser eu quem tinha que discursar. Quando eu o vi, notei o quanto ele estava bem. Ele havia encorpado, seus óculos realmente ficavam bem nele, e ele até saia com mais garotas do que eu. Às vezes, eu até tinha inveja dele. Eu notei como Kyle estava nervoso, então eu bati em seu ombro e disse: “Ei, cara, você vai se sair bem!” Ele me olhou com seu sorriso de gratidão e disse: “Obrigado.”

Quando ele começou seu discurso, ele limpou a garganta e disse:

“A formatura é o momento para agradecer àqueles que te ajudaram a passar por todos estes anos. Seus pais, seus professores, seus irmãos, talvez um treinador… mas, acima de tudo, os seus amigos. Eu estou aqui hoje e quero dizer a todos vocês que ser amigo de alguém é o maior presente que você pode dar a esta pessoa. Eu vou contar uma história pra vocês.”

Eu olhei para o meu amigo, pasmo, enquanto ele contava a história do primeiro dia em que nos conhecemos. Ele havia planejado se matar naquele final de semana. Ele contou como havia limpado o seu armário da escola para que sua mãe não tivesse que fazer aquilo depois e estava levando suas coisas para casa. Depois Kyle me olhou bem nos olhos e me deu um sorriso. “Felizmente, eu fui salvo. Meu amigo me salvou de fazer algo indizível.” Eu senti o bolo na garganta se espalhar pela plateia enquanto aquele garoto bonito e popular nos contou sobre seu pior momento. Eu vi a mãe e o pai de Kyle me olharem e me lançarem aquele mesmo sorriso de gratidão. Até aquele momento, eu não havia me dado conta de sua profundidade. Nunca subestime o poder de suas ações. Com um pequeno gesto você pode mudar a vida de uma pessoa.”

Veja o vídeo sobre esta história (em inglês) no vídeo abaixo:

Que história poderosa. Se este atleta não tivesse demonstrado empatia naquele momento, seu melhor amigo não estaria vivo e eles nem teriam se conhecido. Esta é uma prova clara do impacto que um pequeno gesto por ter.

Vimos em naoacredito

Falando sobre isso

Leave a Reply