Filho de 16 anos de Valesca perde 35 kg: como pais devem ajudar nesse processo

Te amo, mãe!!! ?

A photo posted by PABLO GOMEZ ✌? (@pabloogomeez) on

A adolescência quase sempre é marcada pela vontade de se sentir incluído – e qualquer característica que faça o jovem se sentir inseguro coloca sua autoestima lá embaixo.
Por isso mesmo, a obesidade na adolescência é uma das batalhas internas enfrentadas por quem está acima do peso saudável, mas não consegue manter uma dieta saudável nem uma rotina de exercícios físicos. Prova de que isso realmente pode mudar, o filho de 16 anos da funkeira Valesca Popozuda, Pablo Gomez, revelou ao site de entretenimento Ego que emagreceu 35 quilos em um ano.

Além de revelar as trocas alimentares que o fizeram perder peso, o jovem contou que pratica crossfit e conta com o apoio da mãe neste processo de emagrecimento, que garantiu à publicação: “não adianta pressionar”.

Se você também tem um filho adolescente acima do peso, saiba que o papel dos pais no emagrecimento dos jovens é muito importante – especialmente no que diz respeito ao apoio emocional. A nutricionista Pollyanna Esteves destaca os principais cuidados na dieta de um adolescente e explica quando o acompanhamento profissional é necessário.

Emagrecimento do filho da Valesca Popozuda

O jovem Pablo Gomez, de 16 anos, emagreceu 35 kg em um ano, segundo informações do Ego. Pra chegar aos 82kg – ele tem 1,88m – ele deixou de lado alimentos como pizza e massa todo dia e passou a cuidar da saúde. A principal dificuldade neste processo, como acontece com vários adolescentes, foi abandonar a alimentação desregrada e fazer escolhas mais saudáveis para colocar no prato. Ele já havia tentado emagrecer aos 10 anos com a ajuda de um nutricionista, mas sem sucesso.

“Detestava ter que comer aquelas comidas. Reclamava muito”, contou ao site, revelando que, de um ano para cá, mudou as preferências alimentares. “Agora deixo a pizza e as massas para os fins de semana. Amo comida japonesa, como arroz integral, legumes, verduras, frutas. Me alimento a cada três horas. Minha sorte também é que não gosto de chocolate. Se não tiver, não estou nem aí. Não me faz falta.

Beca ?? #premiogeracaoglamour #piquegranfino

A photo posted by PABLO GOMEZ ✌? (@pabloogomeez) on

A nutricionista Pollyanna Esteves destaca que é comum um comportamento de compulsão alimentar na adolescência e, ao contrário do exemplo de Pablo, os chocolates e outras guloseimas são os principais motivos dos deslizes na dieta.

Comer sem prestar atenção, como ingerir salgadinhos enquanto joga videogame ou almoçar mexendo no celular, também pode acarretar aumento de peso, justamente porque o adolescente não identifica a quantidade de comida que consome por dia.

“É comum ter uma atitude compulsiva porque é uma fase de transformação, dificuldade com autoimagem, eles se acham desengonçados e podem acabar descontando na comida”, avalia. “O menino ou a menina também podem criar o hábito de comer porque estão entediados”.

Como perder peso de maneira saudável na adolescência

Dieta sem restrições

A principal orientação da nutricionista é que a criança ou o adolescente não faça uma dieta restritiva, isto é, eliminando grupos alimentares de uma vez do cardápio ou ficando muito tempo sem comer.

“Não acho ideal cortar algum grupo alimentar, porque ele não vai conseguir por muito tempo. Um nutricionista precisa fazer uma avaliação para garantir as quantidades devidas de carboidrato e proteína, porque ele ainda está em fase de crescimento”, comenta. “Também é necessário fazer um teste de intolerância alimentar, que é o que pode ter ocasionado o aumento de peso”.

Como a produção hormonal na adolescência é acelerada, é preciso também fazer uma avaliação mais detalhada sobre possíveis déficits hormonais provocados “por alimentação e estilo de vida errados”, como explica Pollyanna.

“Já tive paciente de 19 anos com os hormônios desregulados, que se queixava de estar cansado e sem energia. No menino, pode acontecer de faltar testosterona e sobrar estrogênio, o que gera o acúmulo de gordura”, comenta. “Já a menina pode apresentar baixos níveis de progesterona e também o aumento do estrogênio”. Nestes casos, pode ser necessário que o adolescente faça reposição hormonal.

Vale lembrar que outras doenças também podem contribuir para o quadro de obesidade na adolescência. Por isso é tão importante o acompanhamento médico para investigar caso a caso.

Suporte psicológico de adultos

A partir do momento que o adolescente se dispõe a emagrecer, é fundamental que os pais ou adultos que convivem com ele deem suporte e incentivem tanto uma dieta saudável quanto a prática de exercícios físicos que o jovem gostar.

“Isso é importante para acelerar o metabolismo e ajudar no emagrecimento. Agora, o adolescente só vai fazer se ele quiser e não adianta os pais falarem ‘você está muito gordinho’, ‘seus amigos estão mais magros que você’, porque isso pode piorar a percepção da autoimagem dele”.

Esta foi a atitude de Valesca com seu filho, com destacou em declaração ao Ego.

“O fato de ele ser gordinho não me deixava triste e ele nunca deixaria de ser meu filho por causa disso. Eu ficava muito preocupada com a saúde dele. Um dia bati na mesa e disse: ‘Chega! Não vou gastar mais meu dinheiro, quero o seu bem. Se você quer continuar assim comendo batata frita, bolinha de queijo, coma’. Ele então continuou comendo besteira. Até que um dia na piscina do nosso condomínio vi que ele era o único menino que usava camisa na piscina. Sentei com ele, conversei, e o levei a outro nutricionista”.

E continua:

“Hoje é só orgulho! Fico boba! Ele está indo todo dia ao crossfit, faz a dieta dele, come bonitinho, é o meu orgulho. Não adianta pressionar, tem quer dar tempo ao tempo e já disse que estarei sempre do seu lado para o que precisar”.

E, segundo uma pesquisa realizada nos Estados Unidos e no Reino Unido, isso realmente tem um fundo de verdade. Os pesquisadores chegaram à conclusão que chamar a criança de gordinha faz com que ela ganhe ainda mais peso no futuro.

Obesidade na infância e adolescência

Entre os problemas de saúde, a criança e o adolescente que estão acima do peso podem sofrer infarto, acúmulo de gordura no fígado, passar a sentir dores nas articulações devido ao peso e até correr risco de desenvolver câncer.

Quando buscar um nutricionista?

A nutricionista ressalta que os pais devem buscar ajuda de um nutricionista principalmente quando a criança apresenta gordura localizada, que é prejudicial para a saúde, e passou da fase do “estirão”.

“Depois dos 9 anos, que ela já cresceu e continua com gordura localizada, é importante procurar um profissional para ajudar a perder peso”.

Vimos em bolsademulher

Falando sobre isso

Leave a Reply