Garoto fica três dias com moeda de R$ 1 presa no esôfago

Um menino de 7 anos ficou durante três dias com uma moeda entalada no esôfago.

O caso foi em Suzano. A família procurou atendimento na Santa Casa da cidade, que informou não ter estrutura para retirar a moeda.

O procedimento foi feito em Santo André,e durou apenas 15 minutos.

Kauã Henrique Mignoli de Jesus, de 7 anos contou aos pais que estava com uma moeda de R$ 1 nas mãos, enquanto assistia a um desenho animado na TV.

Deitado no sofá, ele abriu a boca de sono e tapou com a mão, onde acabou engasgando com a moeda. “Ainda em casa, minha esposa conseguiu colocar a mão na garganta dele e virar a moeda, então ele voltou a respirar. Fomos correndo pro hospital”, contou o pai, Júlio Carlos de Jesus.

A família chegou à Santa Casa de Suzano por volta das 19h de sexta-feira. “O médico que estava de plantão pediu um raio-X, que não pegou a moeda.

Ele até brincou, falou que meu filho não tinha engolido nada, que estávamos inventando história. Nos liberou e disse que a gente podia dar comida pro Kauã, que a moeda já tinha descido pro estômago e deveria sair nas fezes”, contou.

No entanto, o menino continuou a reclamar de dor na garganta e não conseguia tomar água, por exemplo.

“Achei estranho e levei ele de novo para o hospital no sábado. Lá encontramos o médico que foi o anjo da guarda e salvou a vida do meu filho. Só sei que o nome dele é Luciano, se não fosse ele, talvez eu nem estivesse com meu filho hoje”, disse.

O médico ouviu a história e pediu novas radiografias, mas dessa vez, de vários pontos do corpo do menino.

Foi então que a moeda foi encontrada, entalada no esôfago. Mas o que era pra ser um alívio, foi o começo do desespero da família.

“Apesar de ter achado a moeda, no hospital não havia condições de fazer uma endoscopia para tirar a moeda. Então meu filho ficou internado com a moeda na garganta.

O hospital não conseguia transferência pra nenhuma unidade pública que pudesse retirar a moeda. Eu já estava desesperado”, disse.

O menino ficou de sábado até o fim de domingo internado, recebendo soro e sem poder comer ou beber água.

Foi quando o médico Luciano voltou a fazer plantão na Santa Casa e encontrou o menino, ainda com a moeda na garganta.

“Ele viu que meu filho estava lá ainda e começou a correr com pedindo transferência e ambulância. Depois de receber não de vários hospitais, o médico conseguiu vaga no hospital Mário Covas, em Santo André”.

O hospital fica a pelo menos 46 quilômetros de distância da Santa Casa de Suzano.

Kauã foi transferido na madrugada de segunda e realizou o procedimento de retirada da moeda por volta das 8h. Durante a tarde, o menino já estava em casa.

“Faço questão de agradecer esse médico, o clínico Luciano, ao amor que ele tem aos seus pacientes, porque isso fica acima de qualquer diploma. Espero que outros médicos, sigam o exemplo dele.

O sistema público precisa ter mais amor ao próximo, prestar atendimento de acordo. Um procedimento tão rápido que foi feito lá no Mário Covas, e deixaram a gente durante três dias no sufoco”.

Depois do susto, Kauan também mandou uma mensagem. “Agradeço à todos que torceram pela minha melhora. Agora estou sem a moeda que quase tirou a minha vida”, disse o menino.

Em nota, a Santa Casa de Suzano informou que “a especialidade de endoscopia não consta no Pronto Socorro Municipal. Por meio do sistema CROSS a unidade encaminha o paciente para um hospital que seja referência na área, como foi feito.

Kauã de Jesus ficou com moeda entalada na garganta por três dias; Santa Casa de Suzano não tinha condições de retirá-la (Foto: Júlio Carlos de Jesus/ Arquivo Pessoal)

É este sistema (do governo do estado) que disponibiliza a vaga para o paciente. No caso citado, o paciente não apresentava risco eminente e foi encaminhado a unidade referência e o problema foi solucionado.”

Já a Secretaria de Saúde do Estado afirmou em nota que “a Central de Regulação de Ofertas de Serviços de Saúde (Cross) informa que não procede a informação de demora na autorização para transferência do paciente em questão.

O primeiro pedido de transferência para que o paciente realizasse o procedimento foi feito às 22h10 da noite de sábado (28), e quatro horas depois do pedido, por volta das 02h da madrugada de domingo (29), foi autorizada transferência ao Hospital Santa Marcelina de Itaquera.

Por volta das 05h da madrugada de domingo (29) um novo pedido de transferência foi feito pela Santa Casa de Suzano, para o mesmo paciente, e mais uma vez foi autorizada a transferência para realização do procedimento, dessa vez no Hospital Mário Covas, ou seja, em 24 horas a autorização de transferência do paciente Kauã Henrique Mignoli de Jesus foi dada duas vezes.

Este é um site de noticias,curiosidades e tratamentos,ele não substitui um especialista.Consulte sempre seu médico.

 

Falando sobre isso

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*