Os Dez Mandamentos’ bate recorde de bilheteria ‘esgotando’ salas vazias

O cinema brasileiro tem novo campeão. Neste domingo (10), “Os Dez Mandamentos”, versão cinematográfica da novela da Record, bateu “Tropa de Elite 2” e se tornou ofilme nacional com mais ingressos vendidos desde a criação da Embrafilme, em 1970 quando a contagem começou.

Foram 11,205 milhões de bilhetes, segundo a distribuidora Paris Filmes, com base em dados do site especializado “Filme B”. Na contagem da Rentrak, que também analisa o mercado, ainda faltavam 50 mil bilhetes (0,4%) para o recorde.

Porém, o número não significa que o longa bíblico tenha sido visto por mais espectadores do que o filme de José Padilha, que fez público de 11,146 milhões em 2010.
Isso porque houve uma espécie de milagre da multiplicação dos ingressos: sessões oficialmente lotadas ostentavam poltronas vazias.

image

‘Os Dez Mandamentos’ bate recorde de bilheteria ‘esgotando’ salas vazias

Compartilhar via FacebookCompartilhar via WhatsappCompartilhar via TwitterCompartilhar via GooglePlusCompartilhar via EmailCompartilhar Linkedin

GABRIELA SÁ PESSOA
DE SÃO PAULO

11/04/2016 02h00Marcelo Justo/FolhapressSessão esgotada de ‘Os Dez Mandamentos’ no Cinemark do shopping SP Market, às 20h15 de sábado (9)

O cinema brasileiro tem novo campeão. Neste domingo (10), “Os Dez Mandamentos”, versão cinematográfica da novela da Record, bateu “Tropa de Elite 2” e se tornou ofilme nacional com mais ingressos vendidos desde a criação da Embrafilme, em 1970 quando a contagem começou.

Foram 11,205 milhões de bilhetes, segundo a distribuidora Paris Filmes, com base em dados do site especializado “Filme B”. Na contagem da Rentrak, que também analisa o mercado, ainda faltavam 50 mil bilhetes (0,4%) para o recorde.

Porém, o número não significa que o longa bíblico tenha sido visto por mais espectadores do que o filme de José Padilha, que fez público de 11,146 milhões em 2010.
Isso porque houve uma espécie de milagre da multiplicação dos ingressos: sessões oficialmente lotadas ostentavam poltronas vazias.

Gabriela Sá Pessoa/FolhapressSessão esgotada de “Os Dez Mandamentos” no sábado (9), às 10h30, no Espaço Itaú do shopping Bourbon

Às 16h de uma quinta-feira (31/3), no guichê do Cinemark do shopping Raposo Tavares, uma vendedora disse que não havia mais ingressos para Os Dez Mandamentos. Justificou que a sessão estava fechada para um evento.

Questionada, respondeu que um pastor comprara toda a sala em dinheiro vivo (ao menos, R$ 4.185). A gerente confirmou a história. A reportagem contou apenas 15 espectadores nos 279 lugares.

O Cinemark confirma que vendeu sessões inteiras de Os Dez Mandamentos, sem comentar mais detalhes.

Em 1º de abril, sexta-feira, a sessão das 16h40 também estava esgotada no Espaço Itaú do shopping Bourbon, zona oeste de São Paulo. A saída, duas horas depois, foi rápida: oito espectadores.

Neste sábado (9), situação semelhante aconteceu no mesmo cinema. Duas salas estavam reservadas para o longa às 10h30: o cinema acabou abrindo apenas uma, e mesmo assim teve a maioria das poltronas vazias.

É NATURAL

Um dos responsáveis pelo cinema afirma que houve vendas coletivas para igrejas e a taxa de ocupação das salas foi de cerca de 70%. E que a venda antecipada é natural em blockbusters, como Os Dez Mandamentos: quem compra nem sempre vai à sessão.

Na rede Topázio, que tem duas unidades em Indaiatuba (98 km de São Paulo), representantes da Universal e de outras igrejas compraram, usando dinheiro em espécie, ingressos para fechar de uma a duas salas por semana, segundo o proprietário, Paulo Lui. As salas, diz ele, estiveram sempre lotadas desde a estreia, em 28 de janeiro.

Marcio Fraccaroli, diretor da Paris, distribuidora do filme, diz que houve “alguma coisa de filantropia, mas só no começo da distribuição do filme. Algumas pessoas ganharam convite e não apareceram, a gente entendeu isso como uma coisa natural.”

“Houve de tudo. Gente que comprou sem ser evangélico, em grupo e igrejas que se organizaram e foram assistir.”

Fraccaroli, assim como Paulo Lui, ressalta uma virtude da estratégia de compra coletiva e distribuição de ingressos: apresentar o cinema a quem jamais havia pisado em um.

Na quarta passada (6), após o culto das 18h na unidade de Santa Cecília, centro de São Paulo, uma voluntária da Universal pediu o celular da repórter (que não se identificou) e informou que, caso ela não tivesse visto o filme mas tivesse interesse, poderia tentar conseguir um ingresso para o fim de semana.

Diferentemente dos EUA que contabiliza seus filmes pelo faturamento em dólares e não dá bola para a quantidade de espectadores, o Brasil historicamente apresenta seus dados em renda e em ingressos vendidos o que se traduz em número absoluto de espectadores.

A Ancine (Agência Nacional do Cinema), que regula o setor, não audita se cada comprador usou o ingresso. Por isso, não há como saber o quanto a bilheteria de Os Dez Mandamentos, ou de qualquer outro filme, corresponde ou não à realidade de espectadores efetivos.

Segundo exibidores e distribuidores, fechar sessões de cinema é comum, e ocorre com mais frequência em filmes religiosos, que tendem a mobilizar grupos de fiéis.
Eles mencionaram “Maria, Mãe do Filho de Deus” (2003), com Marcelo Rossi, e “Nosso Lar” (2010) –neste, centros espíritas teriam fechado sessões e distribuído ingressos por orientação da Federação Espírita Brasileira. A associação negou.

DISPUTA

A Igreja Universal de Edir Macedo, também dono da Record (e dos direitos do filme), nega ter adquirido ingressos de “Os Dez Mandamentos”, conforme reiterado inúmeras vezes à imprensa, que demonstra certa dificuldade em aceitar o fato (leia texto nesta página).

Precisa ou não, a bilheteria de “Os Dez Mandamentos” é uma conquista para a igreja e para a Rede Record, ao curiosamente reproduzir nos cinemas a eterna disputa com a Globo na TV Tropa de Elite 2 é da Globo Filmes. Vale notar que parte do dinheiro usado na compra dos ingressos será encaminhada à Record, como produtora do filme.

Além disso, bater um recorde ajuda a promover a curiosidade pela segunda temporada do folhetim (exibida de seg. à sex, às 20h30), que estreou há uma semana e aumentou em 57% a audiência da emissora. No final do longa, um teaser exibe novas cenas da novela, e promete ao público que a história de Moisés ainda não acabou. A propaganda também não.

OUTRO LADO

Questionada, a igreja enviou nota na sexta (8):

“A Igreja Universal do Reino de Deus jamais adquiriu qualquer ingresso para ‘Os Dez Mandamentos – O Filme’, conforme reiterado inúmeras vezes à Imprensa, que demonstra certa dificuldade em aceitar o fato.”

“Desde a primeira Nota divulgada deixamos claro o apoio ao filme, juntamente com nossos grupos voluntários e de projetos beneficentes em todo Brasil, para que o público em geral tivesse a oportunidade de assisti-lo. E, ainda, que havia a distribuição de tíquetes adquiridos e doados por adeptos.”

“O que negamos enfaticamente é que a Universal tenha comprado ingressos para distribuir, ou para fraudar a bilheteria do filme como veículos de comunicação acusaram, numa uma sórdida e preconceituosa campanha para desvalorizar um sucesso que já é histórico na dramaturgia nacional.”

“Esclarecemos, por fim, que as únicas sessões de exibição do filme organizadas pela igreja são absolutamente gratuitas, e visam levar a obra a comunidades carentes marginalizadas, como de moradores de rua, detentos em penitenciárias e internos em instituições para menores infratores.”
Vimos em Folha de São Paulo

Falando sobre isso

One comment

  1. Kkkk teve recorde pq eles distribuíram ingressos grátis!
    Duvido se tivesse que pagar se ia ter kkkk

Leave a Reply