Selficídio: o nome parece piada, mas trata-se de transtorno sério que pode levar à morte

Com o surgimento de smartphones há alguns anos, ficou muito mais fácil tirar fotos, inclusive de si mesmo, e as selfies viraram febre, especialmente entre os jovens.

O que surgiu como mais uma comodidade proporcionada pela tecnologia, no entanto, pode ser um risco para algumas pessoas ao facilitar o desenvolvimento de uma séria condição: otranstorno de autoimagem. Entenda esta relação.

Compulsão por selfies

Selficídio foi o nome criado para descrever a compulsão por selfies, fenômeno intensificado após a popularização dos smartphones. Apesar de soar quase como uma piada para quem nunca ouviu falar do problema, trata-se de uma condição grave que pode até levar ao suicídio.

A denominação moderna serve, na verdade, para descrever um transtorno conhecido há muito tempo, mas que agora ganhou novas proporções. “O selficídio é uma vertente do Transtorno Dismórfico Corporal, patologia que faz com que a pessoa esteja constantemente insatisfeita com a própria imagem”, explica a médica psiquiátrica Maura Kale.

É uma condição mais comum do que se imagina. Em abril de 2016, a jornalista Daiana Garbin revelou que sofre do Transtorno Dismórfico Corporal e até criou um canal no Youtube para falar de sua relação com seu corpo e com a comida.

Características do selfiecida

O selficida (pessoa que sofre de selficídio) tem dificuldade em aceitar a sua própria imagem. Por isso, passa a tirar centenas de fotos iguais em busca de uma perfeição inatingível.

“Trata-se de uma constante insatisfação e busca pela perfeição. O selficida tira e apaga fotos de si mesmo compulsivamente e quando a expectativa que ele tem não é atingida, fica frustrado, depressivo”, explica a psiquiatra.

Consequências sociais

Por causa desta preocupação exagerada com um “defeito” que pode ser real ou até imaginário, é comum as pessoas que sofrem com este transtorno começarem a estudar formas de tirar uma selfie mais bonita, truques, programas de edição e tudo isso acarreta em uma grande desperdício de tempo.

A sensação constante de frustração é um grande prejuízo para a vida das pessoas porque é fator desencadeante da depressão. “Como em qualquer outro transtorno, quando o problema traz malefícios, prejuízos e danos para a vida da pessoa, é porque é necessário procurar ajuda médica”, alerta.

O que um selficida busca?

Segundo a psiquiatra, é possível falar em ganhos secundários porque, ao buscar a perfeição, o selficida geralmente está em busca de afeto, autoaceitação e aceitação na sociedade.

Em casos graves, esta dificuldade em se aceitar pode até mesmo levar ao suicídio.

Quem é mais afetado?

“Os adolescentes costumam ser os mais afetados porque para eles a imagem é muito importante, eles buscam uma aceitação pessoal inatingível e acabam fazendo uma desvalia da própria imagem”, comenta a psiquiatra.

Maura afirma que os sintomas do transtorno geralmente surgem dos 12 aos 20 anos de idade e é mais frequente em mulheres.

“A sociedade enaltece muito os padrões estéticos e isto impacta, principalmente, as mulheres desta faixa etária [12 aos 20 anos], principalmente se são pessoas que quando crianças sofreram abusos, assédio moral ou tiveram uma formação instável, porque elas são as que mais buscam um ganho afetivo com a imagem”.

Para a psiquiatra, a sociedade tem muita influência neste comportamento por causa da possibilidade de mudanças oferecidas. “Antigamente não existia uma oferta tão grande cirurgias plásticas, dietas, procedimentos estéticos, bronzeamentos e tudo isso provoca uma vontade muito grande de se encaixar em um padrão estético”, comenta.

Tratamento

Como o diagnóstico é feito?

O diagnóstico é feito com o médico psiquiatra. Após a confirmação do transtorno, é feito um tratamento com psicoterapia para tornar os pensamentos da pessoa afetada mais realistas e lineares. Também são receitados medicamentos para tratar sintomas decorrentes da dismorfia, como ansiedade e depressão.

Tipos de terapia utilizadas

De acordo com Maura, os dois tratamentos mais comuns são terapia cognitiva comportamental e terapia psicanalítica. A primeira trata o entendimento sobre a doença, para que o paciente perceba o comportamento que está tendo a partir deste conhecimento e comece a se controlar. O foco é mais na doença.

Já a terapia psicanalítica foca mais no individual. É feita uma análise do paciente para entender por que ele desenvolveu este transtorno, quais os ganhos secundários que ele busca, com o intuito de entender as causas. Nesta terapia, o foco é na pessoa.

Casos na Índia

A palavra selficídio ficou mundialmente conhecida depois de uma jovem ter sido diagnosticads com o transtorno enquanto se preparava para fazer uma cirurgia no nariz em janeiro deste ano, na Índia. O médico que a atendeu considerou a intervenção desnecessária e notou algo de errado no comportamento da jovem, encaminhando-a para atendimento psicológico.

“Ela queria ter certeza que estava linda ao longo do dia e por isso procurava a opinião das pessoas postando muitas fotos suas em redes sociais como Instagram e Facebook”, comentou um dos médicos que atendeu a jovem, em entrevista ao site de notícias britânico Daily Mail.

De acordo com o site, recentemente outros dois jovens indianos também foram diagnosticados com o distúrbio e seus pais, que não quiseram se identificar, disseram que seus filhos apresentavam comportamentos anormais sempre que era impedidos de fazer selfies e postá-las em redes sociais.

Os três, que não tiveram suas identidades reveladas, precisaram ser submetidos a um tratamento psicológico para tratar sintomas de ansiedade provocados pelo Trastorno Dismórfico Corporal (TDC) e por Transtorno Obsessivo Compulsivo (TOC).

O TOC é muito comum entre os selficidas porque a obsessão pela foto perfeita faz com que eles refaçam a selfie inúmeras vezes de maneira compulsiva.

Este é um site de noticias,curiosidades e tratamentos,ele não substitui um especialista.Consulte sempre seu médico.

Falando sobre isso

Leave a Reply