Sobreviventes encontrados em hotel italiano dois dias após avalanche

Equipes de resgate disseram que cinco pessoas foram encontradas vivas nos escombros de um hotel italiano na sexta-feira, dois dias depois que uma avalanche invadiu a estância de esqui

“Encontramos cinco pessoas vivas. Estamos tirando todos de lá. Envie-nos um helicóptero “, disse o resgate no rádio dos bombeiros, ouvido pelo fotógrafo Gregorio Borgia, que estava a caminho do isolado hotel a pé.

Cerca de 30 pessoas ficaram presas dentro do luxuoso Hotel Rigopiano quando uma avalanche atingiu o lugar na tarde de quarta-feira (18). Duas pessoas escaparam da devastação no Hotel Rigopiano nas montanhas atingidas pelo terremoto no centro da Itália e pediram ajuda. Mas demorou horas para que os respondentes chegassem ao local, a cerca de 45 quilômetros da cidade costeira de Pescara, a uma altitude de 1.200 metros.

A agência de notícias ANSA disse que o número de possíveis novos sobreviventes seria de seis e que as equipes de bombeiros estavam em contato com eles, mas que ainda estavam sob os escombros. Helicópteros estavam a caminho para o local para ajudar na retirada.

Equipes de busca e resgate mantiveram a esperança de encontrar sobreviventes da avalanche que enterrou o hotel debaixo de 5 metros de neve, mesmo dois dias após o desastre.

“Esperamos que o teto, que desabou parcialmente em alguns lugares, tenha abrigado alguém embaixo”, disse outra testemunha.

 

Screenshot_3

Uma criança sendo retirada viva nessa sexta-feira (20)

 

O resgate usava apenas pás para escavar as toneladas de neve e detritos. Dois corpos foram tirados e a TV estatal RAI informou que mais dois foram localizados, mas ainda não foram removidos.

As operações foram dificultadas pela dificuldade em acessar o hotel. Trabalhadores têm limpado uma estrada de 7 quilômetros para trazer equipamentos mais pesados.

Um comboio de veículos de salvamento avançou lentamente até o hotel, bloqueado pela neve acumulada a 3 metros de altura em alguns lugares, árvores caídas e rochas. Até o final da noite, apenas 25 veículos haviam chegado, juntamente com 135 trabalhadores de resgate, e autoridades de proteção civil disseram que parte da noite foi usada para tentar ampliar a estrada.

Screenshot_2

Primeiras equipes chegando ao local

As primeiras equipes de resgate chegaram com esquis no início da quinta-feira, e os bombeiros foram levados em helicóptero. Motos de neve também estavam sendo mobilizadas.

Dias de fortes quedas de neve derrubaram eletricidade e linhas telefônicas em muitas cidades e aldeias centrais da Itália, e as linhas dos telefones do hotel caíram no início da quarta-feira, assim quando o primeiro de quatro poderosos terremotos atingiu a região.

“A situação é catastrófica”, disse Marshall Lorenzo Gagliardi, do serviço de resgate alpino, que estava entre os primeiros na cena. “O lado virado para a montanha está completamente destruído e enterrado pela neve: a cozinha, quartos de hotel, salão.”

Screenshot_4

Os promotores abriram uma investigação sobre a tragédia, e entre as hipóteses que estão sendo seguidas é se havia uma ameaça de avalanche que não foi levada a sério, segundo a mídia italiana.

O Prefeito de Farildola Ilario Lacchetta estima que mais de 30 pessoas estão desaparecidas: O hotel tinha 24 convidados, quatro deles crianças e 12 funcionários que estavam no local.

Uma equipe de resgate alpino foi a primeira a chegar em esquis de cross-country depois de uma viagem de 7 km, em duas horas, encontrando Giampaolo Parete, um hóspede que escapou da avalanche quando ele foi para o seu carro para pegar algo, e Fabio Salzetta, um trabalhador de manutenção do hotel, que estava no seu carro no estacionamento do resort na hora do desastre.

Não havia outros sinais de vida. “Infelizmente não temos sinais positivos desde a manhã”, disse o porta-voz do bombeiro Luca Cari à estatal RAI.

Parete, cuja esposa e dois filhos ficaram entre os desaparecidos, foi levado para um hospital enquanto Salzetta ficava com os resgatadores para ajudar a identificar onde os convidados poderiam estar enterrados e como as equipes poderiam entrar nos edifícios.

A região montanhosa da Itália central foi atingida por uma série de terremotos desde agosto que destruiu casas e centros históricos em dezenas de cidades e aldeias. Um tremor mortal em agosto matou quase 300 pessoas. Ninguém morreu em fortes réplicas em outubro, em grande parte porque os centros de população já tinham sido evacuados.

Falando sobre isso

Leave a Reply