Você sabe o que acontece com um ser humano morto no oceano?

Um novo estudo publicado pelo jornal Plos One, busca respostas sobre o que acontece com um corpo de um humano morto no oceano. Diversos teste foram realizados para chegar a uma resposta, e o porco foi escolhido para realizar os procedimentos pelo motivo deles terem características parecidas com as dos humanos, sendo os testes realizados na bacia canadense de Saanich Inlet. A pesquisa não busca apenas descobrir como os decompositores reagem aos mamíferos terrestres mortos no oceano, ela também busca ajudar pesquisadores forenses a resolverem crimes.

Três  carcaças de porcos foram jogadas no mar e monitoradas por câmeras. Após 3 semanas, crustáceos devoraram os porcos e só restaram os ossos. Porém, existia um terceiro animal que era “fertilizado”, e esse, demorou 90 dias para ser totalmente digerido. Percebeu-se que isso ocorreu pela falta de oxigênio na água, que causa um impeditivo para os grandes decompositores se moverem. Os pesquisadores também analisaram e observaram a composição química da água.

“A bacia de Saanich Inlet é deficiente em oxigênio em grande parte do ano, chegando até a ficar totalmente sem o gás vital em certos períodos. Apesar dos animais dessa região estarem adaptados a isso, nós jogamos a terceira carcaça num dos períodos mais anóxicos (sem oxigênio) do ano. Isso fez com que camarões e caranguejos não conseguissem se mover até o porco. Apenas lagostas – que não conseguem passar pela pele – chegaram lá. Isso nos diz muito sobre o que acontece embaixo de águas como essa”, falou o pesquisador.

A pesquisa foi fundamental para desvendar o mistérios dos pés que “boiam”. “Se uma pessoa morre na água calçada de tênis, quando os decompositores acabarem de digerir o corpo, ela irá boiar até a superfície por causa das solas”, falou o biólogo. Os pesquisadores pretendem aprofundar mais a pesquisa.

Este é um site de noticias,curiosidades e tratamentos,ele não substitui um especilista.Consulte sempre seu médico.

Falando sobre isso

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *

*